Loading...

Iniciativa de grupo internacional não é útil para Venezuela, Diz Araújo

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse hoje (7), durante entrevista coletiva na embaixada do Brasil nos EUA, que considera que a iniciativa do Grupo de Contato Internacional para buscar uma solução para a crise política na Venezuela não é útil.

“Achamos que isso [a iniciativa do grupo de contato] não é um ponto de partida. É uma iniciativa que, a exemplo de iniciativas no passado, por mais bem-intencionada que possa ser, terá, se prosperar, como resultado apenas retardar o fim do regime ditatorial, dar espaço de respiração para Nicolás Maduro e seu grupo e criar uma dúvida sobre a evolução do processo democrático”, disse Araújo.

Nesta quinta-feira, o Grupo Internacional de Contato realizou uma reunião em Montevidéu sobre a Venezuela e defendeu que a saída deve ser definida pelo povo venezuelano. Integrado por países das Américas e da Europa, o grupo busca um acordo para o fim do conflito venezuelano pelas vias diplomáticas.

Mais cedo, o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, disse, que a Venezuela vive um dilema entre a paz e a guerra. A afirmação ocorreu durante entrevista coletiva sobre a reunião do Grupo de Contato Internacional. A reunião foi convocada pelo Uruguai, pelo México e pela União Europeia (UE).

Apoio a Guaidó
O chanceler brasileiro disse que o “caminho” para a Venezuela é o reconhecimento do autoproclamado governo provisório de Juan Guaidó como legítimo, inclusive para buscar uma saída para Nicolás Maduro que, disse o chanceler, “não é mais uma parte legítima em nenhum diálogo”. “A iniciativa de Montevidéu parte das premissas erradas e não trará os resultados que todos esperamos, que é a volta da democracia na Venezuela. Apenas serviria para retardar esse processo, portanto não consideramos que seja uma iniciativa válida”, disse.

Na coletiva, o chanceler voltou a afirmar que o Brasil não apoia uma saída militar para a questão venezuelana e que acredita que a transição deve ser conduzida pelo poder local por meios políticos e diplomáticos. O ministro disse ainda lamentar o bloqueio da ajuda humanitária à Venezuela, enviada pelos Estados Unidos, que se encontra parada na Colômbia.

“Lamentável que tenha tido esse bloqueio do acesso da ajuda humanitária, só temos a esperar que isso seja revertido pelas próprias forças venezuelanas que, de alguma maneira, tomaram essa atitude completamente desumana. [Esperamos] que seja facilitado e facultado o acesso ao povo venezuelano àquilo que ele tanto precisa”, disse.

Representantes de Maduro
Questionado se receberia representantes do governo de Maduro, Araújo disse que o governo brasileiro considera atualmente como seu canal oficial de comunicação com o país a embaixadora venezuelana designada para o Brasil por Guaidó, María Teresa Belandria.

“Nosso diálogo é com ela, com representantes de Maduro não temos nada a acordar. A visão oficial desse regime já sabemos que é uma coleção de mentiras, que sabemos que não tem utilidade nenhuma”, disse.

Viagem aos EUA
Araújo disse que o presidente Jair Bolsonaro deve viajar aos EUA na segunda quinzena de março. De acordo com o ministro, a tônica da viagem vai ser mostrar o “novo patamar” da relação entre os dois países. O chanceler disse que a ideia é apresentar resultados específicos nas áreas econômicas, de segurança e de defesa.

“Está ficando claro que o Brasil precisa dar um salto qualitativo na relação com os Estados Unidos e trabalhar rumo a uma interconexão maior das duas economias; algo que vá além do acesso ao mercado para produtos x, y, z,... algo que realmente tenha uma visão estratégica de interconexão e um símbolo é a recente fusão da Embraer com a Boeing”, disse.

A agenda de Bolsonaro deve reunir temas econômicos e comerciais, segundo o chanceler. Araújo quer também que parlamentares norte-americanos visitem o Brasil para conhecer a realidade nacional e discutir temas de interesse mútuo. 

O ministro disse que o Brasil tem interesse comum com os EUA na área de defesa e segurança. “Já existe toda uma interação e podemos trabalhar isso com mais ênfase e com uma visão estratégica, tanto na parte de combate ao crime organizado, como na área de capacitação militar”, disse.

Agencia Brasil
Nacional 8008504773151595155

Postar um comentário

Os comentários postados aqui, são de inteira responsabilidade dos leitores e não refletem a opinião do nosso Portal

emo-but-icon

Página inicial item

Nos siga nas redes

RECENTES DO PORTAL RN

+ VISTOS DO RN